CASE DE SUCESSO - BRITADOR MÓVEL

Britador

ESTUDO DE CASO

Os britadores móveis são máquinas de britagem de rochas montadas em esteira que são facilmente movidos nos locais de produção e entre eles. Essa característica torna a detecção, alarme e supressão de incêndio nesses equipamentos um desafio.
Eles são amplamente utilizados na produção de agregados, aplicativos de reciclagem e operações de mineração. Os britadores móveis podem substituir os sistemas de britagem estacionários, o que reduz a necessidade de transporte e, portanto, reduz os custos operacionais.
Entre suas áreas de risco de incêndio estão: os motores elétricos dos britadores, as correrias transportadoras e a área de painéis elétricos de alimentação. Agora, você vai descobrir quais os tipos de sistemas os especialistas em engenharia de incêndio da Elfire projetaram para cada um desses riscos.

Britador

Princípio de funcionamento do britador móvel

Moega fixa
Conjunto móvel primário
Alimentador vibratório
Britador de mandíbula
Casa de transferência
Cai no transportador de correria
Conjunto móvel secundário
Peneira vibratória
Material mais fino já vai para pilha de produto, mais grosso volta para o britador cônico
Britador cônico

EQUIPAMENTOS E ÁREA A SEREM PROTEGIDOS

Case de Sucesso Britador Móvel cache

Eletrocentro

• Tipo de sistema: ................................................................. Inundação Total
• Tipo de risco: ...................................................... Classe de incêndio A e C
• Concentração mínima: ....................................................................100 g/m³
• Tempo máximo de descarga: ................................................................ 60 s

A tecnologia de Aerossol Condensado para extinção de incêndios foi desenvolvida pelo Instituto de Tecnologia Espacial da Federação Russa – um dos mais respeitados centros de pesquisas do mundo, para a proteção dos seus satélites e naves espaciais e hoje está disponível através do FirePro , um inovador sistema automático de supressão de incêndios, patenteado pela empresa Celanova Ltd / FirePro Systems Ltd – Cyprus, CE.

Os geradores de aerossol FirePro tem em seu interior um composto sólido “SBK” (solid bound compound), rico em sais de potássio (K), que quando ativado desencadeia uma reação química (exotérmica), transformando-se rapidamente num poderoso aerossol Tri-Classe ABC, que extingue em segundos os fogos das classes A, B e C.

Sua instalação e manutenção é extremamente simples e econômica, devido à inexistência de pressão no interior dos FirePro e da inexistência de tubulações para a distribuição do aerossol. O tamanho compacto do FirePro faz com que ele seja a proteção ideal para as áreas críticas com pouco espaço, nas quais a alta eficiência na extinção e a economia de instalação são vitais.

Principais Vantagens

  • Substitui os complexos sistemas com gases Halogenados, CO2 e Gases Inertes.
  • É seguro para as pessoas (nas taxas de aplicação recomendadas) pois não retira o oxigênio.
  • É seguro para equipamentos eletrônicos, elétricos e magnéticos, pois não provoca corrosão.
  • A limpeza após o fogo é mínima – o aerossol suspenso no ar é facilmente eliminado pela ventilação depois da descarga.
  • Com um único é possível proteger desde cubículos com 0,08m³ (Ex: CPU) até ambientes com 57m³. Para volumes maiores, várias unidades são dispostas e disparadas simultaneamente ou de forma sequencial.
  • Integram-se à detecção e à painéis de incêndio pré-existentes e podem atuar autonomamente.
  • É ambientalmente correto, possuindo o selo ambiental europeu Green Label, o mais rigoroso do mundo.
  • Sua construção é em aço inox, com uma vida útil de até 15 anos, em ambientes normais.
Motor do alimentador vibratório

Motor do alimentador vibratório

Motor da peneira Vibratória

Motor da peneira Vibratória

SISTEMA AUTÔNOMO E AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO E SUPRESSÃO DE INCÊNDIO – ANSUL A-101– ALIMENTADOR E PENEIRA VIBRATÓRIA

O Kit Fixo de Combate a Incêndio é fabricado pela empresa ANSUL, com sede nos EUA, uma das principais empresas no segmento de equipamentos de proteção combate a incêndio, sendo os equipamentos do Kit de Combate a Incêndio para Veículos Fora de Estrada por ela fabricado, aprovados UL/FM.

O Kit de Detecção e Alarme de Incêndio é constituído basicamente de um Cabo Sensor Linear de Temperatura a ser instalado nas principais áreas de risco do veículo, um Acionador Manual Elétrico, e módulos específicos, sendo os mesmos interligados a um Painel de Controle a ser localizado no interior da cabine do operador.

Quando de um princípio de incêndio, a temperatura na área em emergência se elevará e atingirá o ponto de operação do cabo sensor linear de temperatura. Com a operação do cabo sensor de temperatura, o Painel de Controle recebe a informação de ocorrência de um princípio de incêndio, gerando em seu frontal um alarme áudio visual. O mesmo enviará automaticamente um sinal de comando elétrico para desencadear a descarga Pó ABC nas áreas críticas da máquina, protegendo assim os equipamentos e as pessoas envolvidas.

O Kit Automático de Combate a Incêndio visa suprimir o fogo quando ainda no estágio inicial, antes que o incêndio se torne plenamente estabelecido e se espalhe em áreas altamente inflamáveis. Como resultado, o dano é limitado e o tempo de parada do veículo será mínimo.

DETECÇÃO LINEAR – CORREIAS TRANSPORTADORAS

Correias Transportadoras

O detector linear de temperatura também chamado de cabo sensor, protectowire ou LHS é um par trançado de condutores de mola diferentes isolados com o material sensível ao calor, este material foi projetado para amolecer e permitir que os condutores atinjam um ao outro quando expostos a uma temperatura de alarme específica, os condutores diferentes Quando em curto formam uma medição de temperatura, chamado termopar, o módulo de controle da série CTI monitora continuamente a continuidade dos detectores no caso de um circuito aberto; o módulo relata uma condição de falha aberta quando ocorre um curto-circuito;

O módulo de controle da série CTI detecta o curto e mede sua temperatura, a danos mecânicos resultam em uma temperatura abaixo do que é necessário para um alarme, esses curtos são relatados como condição de falha, um curto de calor resultará em uma temperatura igual ou superior ao necessário para um alarme; estes são relatados como uma condição de alarme de incêndio. 

CASES DE SUCESSO